#52sisterhood : Bloom

A segunda semana chegou e não foi mais fácil que a primeira. 

O primeiro passo estava dado e o salto foi mais alto do que pensávamos. Todas nós temos recebido mensagens de várias pessoas a encorajar o projecto, a dizer que estão atentas, a tentar também - e que bom que foi esta resposta - mas apanhou-nos de surpresa de uma tremenda forma positiva. Não estamos a mudar o mundo, mas estamos, semana a semana a dar-vos um pouco de nós e a fortalecer o que temos.

Haverá melhor?

 

O tema, florescer, é tão simples mas ao mesmo tempo tão complexo. 

Já floresci? Estou a florescer? Eu, pessoa? Eu fotógrafa?

Tinha várias ideias sobre o que fazer, mas nenhuma delas possível em Janeiro. Tive de desistir e focar-me em algo diferente. Mais eu. Retrato apertado? Corpo inteiro? Deixo ficar as cicatrizes? As tatuagens? Tudo sou eu, mas eu sou aquilo que vocês querem ver? Bem sei que o projecto é auto-retrato, mas até que ponto consigo mostrar-vos o que quero? Passar a mensagem certa? 

 


flo·res·cer |ê| - Conjugar
(latim floresco, -ere, começar a florir, estar em flor)

verbo intransitivo

1. Criar flores; estar em flor; brotar.

2. [Figurado]  Prosperar; estar próspero; brilhar; exornar.

3. Viver, existir (em certa época e deixando renome).

verbo transitivo

4. Fazer lançar flor; cobrir de flores.


"florescer", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013

 


 

Não sou pessoa de flores, tenho gostos muito específicos nessa área. Conto com os dedos das mãos as flores que gosto - as que não sou alérgica também. As que, de alguma forma significam algo para mim. Também sou apologista da simbologia na fotografia - e no cinema - onde nada está ali por acaso. Os detalhes e as cores foram pensadas - e nesta foto não foi excepção. Do vestido, ao sítio - que inicialmente era em casa, mas que eu não consegui fazer funcionar, precisamente por precisar de cores que se fundam nesta palete, de texturas, de terra, de folhas, coisas que uma parede branca não tem.

 

 

palette.jpg
 

De todas as flores que podia ter escolhido - papoilas, tão pequeninas, tão frágeis e que nunca passam despercebidas pelas sua cor; tulipas, as flores que mais mexem comigo emocionalmente, que cresci com elas, em casa do meu avô paterno que as cultivava; narcisos, haverá melhor flor para representar um auto-retrato? ; a flor de algodão foi a escolhida.

O algodão ( que não engana! - desculpem, tinha de ser... ) é das flores mais delicadas que conheço - basta que qualquer coisa lhe toque para a sujar, para a deixar amachucada. É muito difícil fazer um ramo, porque os galhinhos são inconstantes. É mais fácil deixá-las em flor solitária. Ficam melhores, assim, sozinhas. São flores que combinam com todos os tons e mais alguns - no entanto, raramente nos lembramos delas.

 

 
taniacarvalho03.jpg
 
 
taniacarvalho_bloom.jpg

#52sisterhood : Me, at the beginning

Como o próprio nome indica: eu, no início (ou no começo).

Que difícil foi dar o primeiro passo. Primeiro porque a primeira ideia poderia marcar ou deixar a barra demasiado elevada - ou baixa - e eu não queria isso. Eu sabia que queria algo que pudesse transformar ao longo do tempo e que desse ao espectador uma noção de como sou - e embora não se note na foto que o meu cabelo está cor-de-rosa - do meu aspecto geral, da minha cara (ainda que meia escondida). Também sabia que neste início do ano, eu estou um pouco cinzenta, mas com abertura a que isso melhores durante o ano, por isso a localização teria de ser num sítio que me permitisse que isso acontecesse. Estas duas coisas estavam definidas: eu teria de aparecer - não apenas os meus braços/pernas; a cor predominante seria o cinzento/azul/preto.


co·me·ço |ê| 

substantivo masculino

1. Acto ou efeito de começar.

2. Primeiro momento ou estado inicial de algo. = INÍCIO, ORIGEM, PRINCÍPIO ≠ FIM, TERMO

 

prin·cí·pi·o 
(latim principium, -ii)

substantivo masculino

1. O primeiro impulso dado a uma coisa. ≠ FIM, TERMO

2. Acto de principiar uma coisa. = COMEÇO, INÍCIO, PRINCÍPIO ≠ FIM, TERMO

3. Origem.

4. Causa primária. = BASE, FUNDAMENTO, ORIGEM

 

"Começo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013

"Princípio", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013


Depois de pensar e repensar no que constituía para mim, o princípio, não só do ano, como o deste projecto, como de mim mesma, fazia-me algum sentido juntar um prop. Mas o quê? uma palavra em madeira/cartão era demasiado óbvio. E porque não, uma página em branco? Todos os livros no seu início têm pelo menos uma página não escrita, marcando o início do mesmo. Todas as agendas, todas as histórias. E porque não criar uma página em branco ? 

Pois que foi assim que o conceito nasceu.

 

 


01_v02.jpg
 

Todas as semanas ficarão a saber o nosso tema quando publicarmos as fotos : tema esse que nós definimos nos primeiros dias do ano. 

Se quiserem juntar-se, usem a hashtag #52sisterhoodchallenge !

Estaremos atentas às vossas fotos!

Projecto 52, ou #52sisterhood

A ideia começou pela maluquice de fazer algo em conjunto, no nosso grupinho de fotógrafas. Fomos vendo várias ideias, projectos antigos e nada nos encheu as medidas - e vai daí, fizemos o nosso. Com palavras que nos diziam algo, escolhidas e planeadas de semana a semana de forma mais ou menos aleatória.

Todas nós sabemos que vai ser difícil. Gerir uma foto pessoal e a nossa própria vulnerabilidade não é fácil - eu falo apenas por mim, para quem o telefone é um melhor amigo e as "selfies" ficam mais ou menos bem, mais filtro, menos filtro, onde o controlo de ângulo é maior, onde é mais rápido disparar, editar e não pensar muito nisso. Mas este projecto é maior que uma selfie.

É conceito, é trabalho.

Trabalho esse que teremos de conciliar com famílias, amigos, com corações que batem depressa por outra pessoa, com dias maus, com dias péssimos, com falta de tempo, com mais trabalho, com pessoas que nos exigem as imagens que criamos para eles - as quais estou certa que todas nós as pomos à frente das nossas e nos sentimos culpadas quando não o fazemos, faz parte.

Falo por mim, que terei de tirar um par de horas para fotografar, outro par para editar - se fizer em casa, se não tiver de ir a lado nenhum. E esta obrigatoriedade de parar para nós próprias não é algo que se faça com facilidade - mais depressa ficamos um par de noites sem dormir a editar um casamento, a montar um álbum, a garantir que prazos são cumpridos. 

 

Somos seis, amigas e fotógrafas, a fazer um '52 semanas' em conjunto.

Publicaremos semanalmente nas nossas redes sociais e podem seguir-nos através da hashtag #52sisterhood

 

instagram.jpg

 

Todas as semanas ficarão a saber o nosso tema quando publicarmos as fotos : tema esse que nós definimos nos primeiros dias do ano. 

Se quiserem juntar-se, usem a hashtag #52sisterhoodchallenge !

Estaremos atentas às vossas fotos!

 

2018 à porta

Olá, bom dia, chega cedinho e bem disposto? Espero que sim.

2018 chegou sem resoluções, sem planos, sem listas. O que é importante para mim, está delineado desde 2017 e é nisso que eu vou trabalhar. 

Preciso, essencialmente de alterar hábitos - e que difícil que é! Acima de tudo, o meu estilo de vida. Mas desta vez, vou fazê-lo um mês de cada vez. Dizem que são precisos 21 dias para algo se tornar hábito e nós temos 30 (mais um, menos dois..). Trabalhar um hábito de cada vez. No final do ano, serão 12 - e 12 são bastantes!

Vai ser preciso focar-me nas coisas que quero, dar-lhes o devido valor em vez de me focar nas coisas que me assustam, nas coisas negativas. E isto é simples. Difícil, mas simples. 

E se correr mal, por motivos que não consigo antecipar, não vou esperar até 2019, vou recomeçar, ajustar-me. Começar de novo. 

Pensei em fazer um apanhado de 2017 - que teve muita coisa má, mas também muita coisa boa. Mas acho que esse apanhado vai ficar para depois, quando estiver mais delineada a agenda, pode ser?

 

Que este seja o ano em que me lêem com mais frequência. Sem promessas.

 

 

2018_1.jpg
2018_3.jpg

Wedding School 2017

Em Março a equipa Dream Weddings criou a Wedding School.

Um conceito de colaboração e contacto entre várias pessoas da área e dar a conhecer a alguns dos noivos desta season, alguns fornecedores.

O evento decorreu no Palacete Virtvs by Casa da Comida e devo acrescentar o quão bonito o sítio é para um casamento pequeno, ou mesmo uma estadia de lua-de-mel;
As flores e a decoração são da Happy Day - Decoração de Eventos - que fazem sempre os arranjos mais bonitos;
Som e luz por Jukebox - Música e Produção Audiovisual para Eventos;
Press wall e poligrafia - assim como o estacionário presente é da Cactus Design - um óptimo olho gráfico cheio de detalhe e pronto a acertar no pedido do cliente, seja um menú, seja um convite!
Vestidos de Laure de Sagazane Paris;
E um bolo fantástico da T Bakes.

 

Deixo-vos com algumas fotos - essas são minhas - para verem como correu.

 

Marta e o livro

Há pessoas que passam por nós e deixa marca - seja um apontamento pessoal, seja um jeito de falar. 

A Marta vem de há alguns anos, agora mais presente, mas do tempo em que o DeviantART era o site para expor o nosso trabalho, além disso, a Marta mantinha um blog - Lipgloss and Black que eu lia sempre que ela punha um trabalho/post novo. Sempre admirei muito o jeito dela e é com muito gosto que a tenho neste círculo de pessoas que admiro.

 

 

Há uns meses - sim já faz uns meses - sentei-me com a Marta no Café com Calma para um café, dois dedos de conversa e ver o portfólio físico, que tinha chegado! 

Do café, não houveram fotos, que entre comida e conversa, nem nos lembramos! Mas fotografei o orgulho da Marta, a desfolhar as páginas cheias de carinho e amor de outras pessoas, mas que também são dela. 

 

A Ruiva, num tom diferente

Volta e meia gosto de fotografar pessoas novas, só porque sabe bem, ver novos rostos, diferentes expressões e até, saber um pouco mais das vidas complicadas de cada um que seguimos por trás dos vidrinhos que controlam um pouco da nossa vida social.

Há muitos meses que sigo a querida Ana Soares no Instagram e depois de ganhar alguma coragem lá me meti com ela via Direct Message e sugeri que, numa manhã, fossemos tirar umas fotografias. 

Pois que fomos para o Parque das Nações - sinceramente é dos meus sítios favoritos, principalmente de manhã quando ainda há pouca gente - e fizemos um pouco de magia juntas. A Ana é lindíssima e teve temporariamente roxa e eu achei que seria a altura ideal para fazer uns retratos antes que o ruivo atacasse de novo.

Espero que gostem destes detalhes tanto quanto eu.